Associação Brasileira Rede Unida, 13º Congresso Internacional Rede Unida

Anais do 13º Congresso Internacional da Rede Unida

v. 4, Suplemento 1 (2018). ISSN 2446-4813: Saúde em Redes
Suplemento, Anais do 13ª Congresso Internacional da Rede UNIDA
Tamanho da fonte: 
SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE SOBRE A COMUNICAÇÃO EFETIVA E O PREENCHIMENTO DO PRONTUÁRIO NA ATENÇÃO BASICA DE SAÚDE
CAMILA LEÃO DO CARMO, ADRIANY DA SILVA PEREIRA, BRUNA RENATA FARIAS SANTOS, FERNANDO KLEBER MARTINS BARBOSA, KAIO DMITRI DOS SANTOS AGUIAR, JACKELINE LEITE DE OLIVEIRA, GIOVANA KARINA LIMA ROLIM, REGIANE CAMARÃO FARIAS

Última alteração: 2018-01-16

Resumo


Apresentação: A Segurança do Paciente é um tema que vem ganhando mais importância no cenário mundial e no Brasil, principalmente depois de 2013, ano em que foi publicada o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP), um de seus protocolos básicos é comunicação efetiva no ambiente dos serviços de saúde. Tal protocolo básico contribui para facilitar a troca de informações entre a equipe multiprofissional, auxiliando no processo de transferência do usuário de uma unidade a outra e promove um cuidado mais eficaz. Um dos instrumentos que deve ser observado para contemplar o que o PNSP preconiza acerca da comunicação efetiva é o prontuário do paciente, que é uma ferramenta fundamental para o desenvolvimento da assistência, pois nele ocorre o registro de informações pelos profissionais alem da avaliação do cuidado prestado. A utilização e registro adequado no prontuário minimizam riscos de intercorrência no processo de assistência ao paciente, promovendo a segurança do mesmo tanto em ambiente hospitalar quanto na atenção básica de saúde. Segundo informações disponibilizadas por Brasil (2010) a atenção básica constitui-se como o principal ponto de acesso ao SUS a partir deste contato inicial ocorrerá a comunicação com toda a Rede de Atenção à Saúde. De tal modo o conteúdo presente no prontuário do usuário atendido pela ESF, deve conter todas informações relevantes a saúde do mesmo, já que essas informações perpassarão por todo o processo de assessoramento disponibilizada pelo SUS, de modo que um erro de preenchimento ou falta de dados pode comprometer toda a assistência à saúde do usuário. Baseado nos conceitos acerca da segurança do paciente notou-se o quão nocivo para a saúde do usuário poderia ser a negligencia ou a utilização inadequada do prontuário para a assistência prestada ao usuário mesmo em ambientes em que a assistência a saúde não requer uma alta complexidade tecnológica, como no caso da atenção básica. Apresentando, portanto, como objetivo principal deste estudo ressaltar a importância de executar ações efetiva para promover a segurança do usuário, abordando assim a necessidade da utilização correta do prontuário a fim de evitar situações que comprometam a saúde dos indivíduos assistidos pela ESF. Descrição da experiência: Tal estudo foi desenvolvido durante as aulas práticas do componente curricular Enfermagem Comunitária II em uma ESF localizada em Belém – PA. Trata-se de um estudo descritivo de abordagem qualitativa do tipo relato de experiência Realizado embasado pela metodologia da problematização fundamentado pelo arco de Marguerez como estratégia de ensino e aprendizagem constituída por cinco etapas (Observação da realidade, Definição dos pontos-chave, Teorização, Hipóteses de solução e Aplicação à realidade). Na primeira etapa (observação da realidade), foi observado que havia erros em alguns prontuários utilizados para dar continuidade ao registro da assistência à saúde dos pacientes. Tais erros consistiam em: caligrafia ilegível, rasuras, ausência de dados, papel danificado, excesso de grampos, ausência de CRM ou COREN, símbolos e abreviações inadequadas, desobediência da ordem cronológica das evoluções, evolução de um paciente feita em prontuário de outro paciente. Na segunda etapa (Definição dos pontos-chaves) foi feita uma reflexão e escolhido alguns assuntos a serem pesquisados. Na terceira etapa (teorização) foi feita levantamento da literatura vigente sobre Segurança do paciente, comunicação efetiva e registro no prontuário. Na Quarta etapa (hipótese de solução) Com base no que foi anteriormente observado e na teorização formulou-se a hipótese de solução a partir da utilização do check-list sobre o preenchimento e utilização adequada dos prontuários. Na quinta etapa (aplicação da realidade) A partir de uma capacitação dos profissionais da ESF que incluíram enfermeiras, Agentes comunitários de saúde e estudantes de medicina, foi realizada uma ação educativa na ESF com intuito de sensibilizar os profissionais de saúde com relação à importância de preencher corretamente o prontuário do usuário, evitando rasuras, símbolos e qualquer outro elemento que dificulte a consulta deste documento pela equipe multiprofissional ou até mesmo por acadêmicos para fins de pesquisa, além disso, o prontuário também serve como respaldo legal e é essencial para a segurança do paciente. Os materiais utilizados foram um cartaz com check-list e folders confeccionados exclusivamente para esse trabalho. Sendo a ação educativa dividida em três momentos, iniciando a explicação com a importância da comunicação efetiva, repassou-se as informações presentes no check-list por meio de marcadores de livro distribuídos aos profissionais presentes na ação. Em consequência da explicação ocorreu um debate havendo troca de informações e por último cartazes foram expostos em locais de fácil acesso para os profissionais consultarem o material posteriormente. Resultados: A participação dos profissionais da ESF na ação de capacitação foi fundamental, pois eles interagiram com os facilitadores da ação, compartilhando suas experiências a respeito da importância de realizar o preenchimento adequado do prontuário a fim de evitar riscos ao usuário assim como para o próprio profissional, que ao realizar as evoluções possui documentação sobre as ações efetuadas ou não por ele. Notou-se também que as enfermeiras presentes apresentavam conhecimento sobre a funcionalidade e importância da utilização adequada do check-list, sendo as maiores duvidas e indagações realizadas pelas agentes comunitárias de saúde, em relação a elas poderem está fazendo também evolução/anotações no prontuário do paciente referente à visita domiciliar que eles frequentemente realizam. A resposta dada a elas pelos facilitadores foi baseada no que esclarece o Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (2015) no qual todos os membros da equipe da ESF devem responsabilizar-se pela orientação e discussão das questões de saúde do usuário, assim como pelo acompanhamento das informações coletadas pelo ACS. Podendo O agente Comunitário de saúde ter acesso ao prontuário familiar para leitura, preenchimento e atualização da ficha de cadastro e demais fichas devendo assinar os dados lançados. Considerações finais: A partir do estudo efetuado e das informações obtidas por meio do estudo, foi possível concluir que o prontuário é fundamental como ferramenta de assistência integral e multiprofissional, pois fornece informações importantes para o processo de assistência ao paciente as quais contribuirão para a efetuação adequada da consulta realizada por todos os profissionais da unidade. Sendo necessário que haja uma sensibilidade da equipe multiprofissional como um todo a realizarem os registros no prontuário de forma completa, clara e coerente. Ressaltando também que o preenchimento de todas as informações referentes ao paciente e a realização dessa prática de forma adequada deve ocorrer integramente na atenção básica. A promoção da segurança do paciente depende de inúmeros fatores, e que a comunicação efetiva, mesmo que muitas vezes ficando em segundo plano e não sendo valorizada é uma medida extremamente eficaz, evitando erros de conduta dos profissionais, pois estes prestarão assistência ao paciente, convictos do que estão realizando e tendo conhecimento das restrições possuídas pelo paciente.


Palavras-chave


Segurança do paciente; Prontuário; Comunicação Efetiva