Associação Brasileira Rede Unida, 13º Congresso Internacional Rede Unida

Anais do 13º Congresso Internacional da Rede Unida

v. 4, Suplemento 1 (2018). ISSN 2446-4813: Saúde em Redes
Suplemento, Anais do 13ª Congresso Internacional da Rede UNIDA
Tamanho da fonte: 
MEDIDAS PREVENTIVAS NA ASSISTÊNCIA AO PACIENTE COM TUBERCULOSE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA
Rebeca Arce Guilherme, Ellen Cristine de Oliveira Silveira, Ellen Cristine de Oliveira Silveira, Felipe Lima dos Santos, Felipe Lima dos Santos, Alexandre Tadashi Inomata Bruce, Alexandre Tadashi Inomata Bruce, Ana Carolina Scarpel Moncaio, Ana Carolina Scarpel Moncaio

Última alteração: 2018-01-24

Resumo


APRESENTAÇÃO: A tuberculose tem existido por milênios e permanece como um grande problema de saúde mundial, gerando problemas de saúde em milhões de pessoas a cada ano e, em 2015, esteve entre as 10 principais causas de morte em todo o mundo. Trata-se de uma doença crônica transmissível, que afeta prioritariamente os pulmões. Uma pessoa com tuberculose pulmonar (bacilífera ou sintomática) pode transmitir a bactéria para outras 10-15 pessoas por ano, quando não diagnosticada, por meio de gotículas respiratórias (tosse, espirro ou fala) que ficam suspensas no ar em forma de aerossóis contendo o bacilo, ou seja, a transmissão envolve vias aéreas principalmente. Uma das principais estratégias de controle da doença é a busca ativa dos sintomáticos respiratórios, os quais podem apresentar: tosse persistente, produtiva ou não, sudorese noturna, febre vespertina, inapetência e emagrecimento. A demora ou falha no diagnóstico, no isolamento e manejo destes pacientes são considerados determinantes para a disseminação da doença. O controle da tuberculose depende do melhoramento dos fatores relacionados aos serviços de saúde: um sistema unificado de saúde, acompanhamento do paciente na referência e contra referência, unidades descentralizadas a fim de aproximar o paciente das unidades de saúde e principalmente, o constante aprimoramento dos profissionais de saúde.  Esse processo de aprendizagem permanente constantemente vem sido defendido pelo Sistema Único de Saúde como sendo um forte alicerce na resolução de problemas enfrentados pela comunidade e pelas equipes de saúde de cada região. A educação continuada parte da hipótese da aprendizagem significativa, que promove a aproximação do científico e da realidade, e sugere que a transformação das práticas profissionais esteja pautada na reflexão crítica sobre as práticas reais, de profissionais que a vivenciam, em ação na rede de saúde, principalmente. OBJETIVO: Revisar a literatura científica nacional e internacional acerca da tuberculose e suas medidas preventivas aliando-as à importância da educação continuada no Sistema Único de Saúde. DESENVOLVIMENTO: Tratou-se de uma Revisão Integrativa da literatura com a seguinte questão norteadora: “qual a produção científica nacional e internacional relacionada à tuberculose e qual a perspectiva dos profissionais acerca das medidas preventivas?”. Foram utilizadas as bases de dados: LILACS e MEDLINE. Para a seleção dos artigos consultou-se os Descritores em Ciência da Saúde (DeCS), sendo utilizados: tuberculose, educação continuada, prevenção e controle e seus correspondentes no idioma inglês, com operador boleano “and”. Os critérios de inclusão foram artigos que abordassem a temática da tuberculose, suas medidas preventivas e educação continuada, nacionais e internacionais, nos idiomas português, inglês e espanhol, dos últimos cinco anos, e os de exclusão foram artigos não disponíveis na íntegra e publicações secundárias. RESULTADOS: A amostra final resultou em sete artigos originais, sendo quatro da base de dados LILACS e três da base de dados MEDLINE. Os artigos foram organizados em duas categorias temáticas: “conhecimento dos profissionais de saúde acerca das medidas preventivas da tuberculose” e “educação continuada na temática da tuberculose”. O conhecimento dos profissionais de saúde foi avaliado por meio de questionários em todos os estudos relacionados aos conhecimentos e percepções dos mesmos quando se trata da tuberculose. Foram abordados diversos assuntos dentro desta temática, que iam desde a forma de transmissão, diagnóstico, tratamento e prevenção. Apesar da situação endêmica da doença no país, é possível notar que ainda existem dúvidas que podem acarretar no manejo inadequado do paciente bem como na disseminação de informações errôneas e que contribuem com a permanência do estigma em volta da doença, a exemplo disso, foi observado em um estudo de corte transversal que 56% do total de médicos e enfermeiros afirmam que a tuberculose pode ser transmitida pela saliva do doente. Com relação aos sinais e sintomas observados pelos profissionais, destaca-se a tosse seca ou produtiva por mais de três semanas como algo mais notável pelos mesmos e a sudorese noturna algo menos observado. Com relação às medidas de prevenção, mais especificamente relacionada à precaução de contaminação por aerossóis, foram observados em prontuários de 29 pacientes SR em um hospital, que em apenas 44,8% destes, as medidas de segurança foram realizadas, sendo que destes, em 34,5% dos casos tais medidas só tiveram seu início no segundo dia de internação e ainda 20,6% obtiveram alta sem registro algum de ações de biossegurança em seu prontuário. Quando se fala em tratamento, foi observado que apenas 62% dos profissionais afirmaram que as características da doença devem ser elucidadas ao paciente. Durante a pesquisa nas bases de dados, constatou-se a falta de informações disponíveis relacionadas à educação continuada atrelada a tuberculose no Brasil, fator preocupante visto a necessidade da implementação e acessibilidade deste componente na formação dos profissionais, principalmente levando em conta as necessidades da comunidade. Um estudo realizado no Malawi concluiu que as falhas nestes polos de educação acontecem principalmente devido a limitações nestes projetos como falta de interesse por partes dos profissionais, ausência de lideranças, falta de suporte financeiro e má infraestrutura principalmente nas áreas rurais. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A partir da análise dos artigos, pode-se concluir que ainda existem lacunas abertas quando se fala em conhecimento dos profissionais de saúde acerca da tuberculose e revelou a necessidade de uma maior sensibilização da população estudada em todas as áreas referentes a esta temática, que vão desde os quesitos básicos como mecanismo de transmissão da doença até os cuidados necessários durante o tratamento e principalmente nas medidas de prevenção da doença. Tendo em vista o quadro epidemiológico alarmante da tuberculose em todo o mundo e especificamente no Brasil, torna-se necessária, por sua vez, a articulação de pólos de educação continuada que acrescentem conhecimentos aos profissionais de saúde em sua formação e consequentemente em sua atuação nas comunidades. É importante observar que o intuito da educação continuada não é focado somente no melhoramento dos profissionais e sim em solucionar questões e dificuldades encontradas pelos trabalhadores juntamente com a comunidade na qual estão inseridos, trabalhando o institucional além de meramente o individual, com o objetivo de proporcionar mudanças e construção coletiva por meio do ensino e formação em conjunto com as necessidades da população.


Palavras-chave


tuberculose, educação continuada, prevenção e controle