Associação Brasileira Rede Unida, 13º Congresso Internacional Rede Unida

Anais do 13º Congresso Internacional da Rede Unida

v. 4, Suplemento 1 (2018). ISSN 2446-4813: Saúde em Redes
Suplemento, Anais do 13ª Congresso Internacional da Rede UNIDA
Tamanho da fonte: 
Construção de um protocolo de revisão integrativa: contribuições para fundamentação teórica e qualificação das práticas em saúde
Denise Azambuja Zocche Zocche, Elisangela Argenta Zanatta, Edlamar Katia Adamy, Carine Vendruscolo, Leticia de Lima Trindade

Última alteração: 2018-01-22

Resumo


Introdução: a revisão de literatura constitui-se numa etapa primordial para o desenvolvimento de projetos de pesquisa/intervenção nos programas de pós-graduação, pois constitui na busca de outros estudos que revelarão se o conhecimento produzido sobre determinado tema é suficiente, é escasso ou ainda precisa ser revisto. Além disso, fazer uma revisão é aprender e aprofundar-se sobre um tema, uma área, é identificar tendências, lacunas e expertises que produzem conhecimento sobre o ele, o que se revela importante no campo da práxis em saúde. Nos Mestrados Profissionais em Enfermagem, a busca por evidências que fundamentem e subsidiem as práticas profissionais, vem sendo cada vez mais incorporadas nas pesquisas, quer sejam elas de intervenção (pesquisa ação) ou na criação de produtos técnicos e tecnológicos. No que diz respeito a subsidiar as tomadas de decisões na assistência em saúde, no desenvolvimento de políticas públicas e de atividades de educação em saúde, as revisões integrativas (RI) vem ganhando cada vez mais adeptos nos cursos de graduação e pós graduação em Enfermagem no Brasil. Neste sentido,  configura-se como um tipo de revisão da literatura que reúne achados de estudos diversos, permitindo aos revisores sintetizar e analisar resultados, a fim de, posteriormente, analisá-los para subsidiar as tomadas de decisões. Tais resultados podem subsidiar práticas assistenciais e administrativas, bem como auxiliar na formulação de políticas públicas. Portanto, mesmo já sendo uma técnica incorporada no meio acadêmico, e com grande adesão por parte dos docentes e pesquisadores enfermeiros, percebe-se uma diversidade de métodos e instrumentos para realizar uma RI, que nem sempre garantem confiabilidade e integridade metodológica ao estudo em questão. Neste contexto dos Mestrados Profissionais em Enfermagem, faz-se necessário utilizar instrumentos que auxiliem a identificação de evidências e necessidades de pesquisas na área, para subsidiar determinadas decisões, práticas ou processos de trabalho, a fim de que sua aplicação garanta os melhores desfechos, com menor custo e ainda com respeito a autonomia e aos direitos dos usuários do Sistema Único de Saúde. Para tanto, a busca de estudos que configurem evidências a serem utilizadas pelos profissionais de saúde e enfermagem requer adequadas metodologias que envolvam a pergunta de pesquisa, a escolha das bases de dados, a escolha dos descritores, os critérios de inclusão e exclusão. Além disso, devem ser levados em consideração os aspectos culturais, regionais e de legislação do exercício profissional que podem ter influência na tomada de decisão ou na escolha do uso de determinadas evidências. Para que este tipo de revisão tenha credibilidade e, que possa ser cada vez mais incorporada pelos programas de pós-graduação em enfermagem, como uma estratégia para fortalecer as práticas baseadas em evidências, é preciso estabelecer critérios que confiram sustentação e integridade para todo o processo de seleção, extração e análise dos dados previstos nos estudos de RI. É necessário atender a certo rigor metodológico para desenvolver uma revisão de modo que seus resultados possam agregar valor às praticas existentes. Este rigor pode ser expresso na descrição das etapas a serem seguidas, contemplando desde a pergunta de pesquisa até a divulgação de seus resultados bem como o impacto e implicações para a área do estudo. Considerando tais pressupostos, o grupo de docentes do Mestrado Profissional em Enfermagem na Atenção Primária à Saúde (MPEAPS), do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), construiu um protocolo para ser utilizado na disciplina de Inovação e tecnologias do cuidado em enfermagem , a fim de subsidiar a construção da pergunta norteadora dos projetos de pesquisa bem como identificar o estado da arte das produções científicas nas áreas a serem investigadas pelas mestrandas. A seguir apresentamos o relato da construção deste protocolo. Objetivo: descrever o processo de construção e de um protocolo de revisão integrativa para o MPEAPS da UDESC. todo: Para a construção de um protocolo de elaboração de RI, inicialmente, identificou-se na literatura nacional e internacional os autores mais citados em estudos de revisão do tipo integrativa. Num segundo momento, realizou-se a análise de similaridade de suas etapas metodológicas bem como a presença de critérios que garantissem o rigor e a transparência de todo o processo, o qual culmina com a apresentação dos resultados. Nesta etapa identificaram-se alguns critérios que eram citados com maior frequência, e que se julgaram relevantes: a existência de no mínimo dois revisores independentes para validar o instrumento, clareza na pergunta de pesquisa e na construção da justificativa do estudo, a utilização de descritores e a representação gráfica de todas as etapas do estudo, via gráficos, tabelas, quadros ou diagramas. A partir desta análise, construiu-se um roteiro constituído por nove etapas: identificação da questão de pesquisa, (utilização da estratégia PICO(T); validação do protocolo ( dois avaliadores independentes validam a pergunta de pesquisa, bases a serem consultadas, uso de descritores e justificativa); seleção e extração dos estudos ( estabelecimento dos critérios de inclusão e exclusão, escolha dos descritores, período, língua, descritores, base de dados, estratégias de cruzamentos- mínimo três); validação da etapa de seleção e extração dos estudos por dois avaliadores independentes expertises no tema do estudo; seleção e extração dos dados (caracterização dos estudos: período, tipo de estudo, nível de evidência, origem, subárea na enfermagem, relação com a questão de pesquisa, tipo de periódico, país de origem do estudo); análise e interpretação dos dados (definir informações a serem extraídas dos estudos, descrever o processo de análise e síntese, focar nos padrões, temas recorrentes, aplicabilidade para enfermagem, a partir de marcos temporais, conceituais, programáticos, jurídicos ou filosóficos); apresentação dos resultados (descrever os artigos incluídos, utilizando tabelas e fluxograma); discussão dos resultados (formular críticas e relação com a questão de pesquisa ,apresentar conclusões, limitações e sugestões para pesquisas futuras); considerações finais (síntese do conhecimento e/ou aplicação na pesquisa em saúde e enfermagem. Este roteiro foi validado por cinco professores pesquisadores do PPG em Enfermagem da UDESC, por meio de encontros presenciais e de construção coletiva via google drive no período de agosto a novembro de 2017. Resultados: A finalização dos critérios que compõem a primeira etapa exigiu mais encontros por parte do grupo, pois foi necessário incorporar uma tendência de inserir estudos mistos de diferentes abordagens metodológicas nas RI. Esta etapa fomentou a discussão e revisão de conceitos e marcos teóricos sobre métodos de pesquisa e prática baseada em evidência. Todas as dez mestrandas do curso aplicaram o protocolo e estão desenvolvendo a RI para subsidiar a construção do projeto de intervenção nos serviços.. Considerações finais: estabelecer os critérios para conferir integridade e confiabilidade a um estudo de revisão é tarefa complexa e que exige integração entre diferentes áreas do conhecimento, bem como trabalho coletivo. Sugere-se que os programas de pós-graduação em Enfermagem e de outras áreas produzam recomendações sobre o uso das RI na prática baseada em evidência para que os profissionais da saúde possam produzir e consumir cada vez mais pesquisas bibliográficas do tipo RI e assim conferir mais consistência e credibilidade às suas práticas.



Palavras-chave


mestrado profissional; enfermagem; prática baseada em evidência