Associação Brasileira Rede Unida, Iº Colóquio CISMEPAR

Anais do 13º Congresso Internacional da Rede Unida

v. 4, Suplemento 1 (2018). ISSN 2446-4813: Saúde em Redes
Suplemento, Anais do 13ª Congresso Internacional da Rede UNIDA
Tamanho da fonte: 
A HUMANIZAÇÃO E A INTEGRALIDADE DO CUIDADO AO PACIENTE COM FERIDA CRÔNICA
karina Marques França Correia, Suely Ribeiro Valotto

Última alteração: 2019-11-19

Resumo


Apresentação: O Ambulatório de Feridas do Cismepar atende pacientes com feridas crônicas de membros inferiores por causas vasculares e neuropáticas. Em sua maioria, com comorbidades associadas: Diabetes, Hipertensão arterial, Dislipidemia, Tabagismo, Alcoolismo, Hanseníase e Patologias Hematológicas. As feridas vasculares acometem principalmente pessoas idosas e são as principais causas de procura as unidades de saúde. Cerca de 80% delas podem ser tratadas ambulatorialmente e são de causa venosa, causam dor, vergonha, depressão, redução da movimentação, incapacidade para o trabalho, perda da auto-estima e isolamento social. Desenvolvimento: Tratar doença crônica, exige do profissional conhecimento teórico e prático, comportamento ético/técnico, postura profissional adequada, para ofertar cuidados dirigidos às necessidades e anseios dos pacientes. O cuidado deste paciente é uma prática que exige assistência integral e trabalho em conjunto. Multifacetado sim, mas com uma visão ampla baseada na troca de experiências. Buscando um “olhar holístico”, repensando sempre o cuidado sensível e humanizado. O tratamento do paciente, se faz com uma avaliação criteriosa da história clínica e patologias associadas, assim como fatores influenciadores no sucesso e adesão do seu tratamento/acompanhamento. Cada caso é avaliado individualmente, levando-se em consideração as particularidades de cada paciente. Associado ao tratamento clínico com exames complementares, a necessidade de cirurgia é avaliada pelo médico e quando indicada, relevante para o sucesso do tratamento. Nossa experiência se baseia na alta tecnologia, utilizando-se a aplicação de curativos especiais, coadjuvantes no tratamento, diminuem a carga microbiana da ferida, promovem o desbridamento autolítico, atuam no controle do exsudato e proteção das margens epidérmicas da ferida, promovem a cicatrização em curto período de tempo, diminuindo assim gastos com materiais em longo prazo. Para uma maior adesão do paciente ao tratamento, se faz necessária a atuação da equipe interdisciplinar: psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, assistentes sociais, podólogos e outros que se fizerem necessários. O ambulatório recebe estagiários de Psicologia, Fisioterapia, Medicina e Enfermagem que contribuem na troca de conhecimento e vivenciam na prática o atendimento holístico do paciente. Resultados: Segundo relato dos pacientes que recebem alta do ambulatório após alcançarem a cicatrização da ferida, reconhecemos como uma experiência positiva e com resultados muitos satisfatórios, a partir da demonstração de afeto e gratidão dos mesmos pelo tratamento recebido. Considerações finais: Para se obter sucesso na cicatrização da ferida, é necessário um conjunto de cuidados e fatores como: curativo ideal, autocuidado apoiado, saúde emocional e social, auxílio da família e/ou cuidador, adesão do paciente ao tratamento, ambiente adequado, controle das patologias de base e uma intervenção na causa da doença. Em busca de manter um atendimento humanizado, de qualidade e integral ao paciente, almejamos a constituição de uma equipe interdisciplinar; descentralização do atendimento/tratamento, criando pólos de atenção nas unidades básicas de saúde dos municípios consorciados; investimento em capacitações, ampliação de conhecimento com a participação e ministração em cursos e congressos, relacionados à área de atuação; implementação de novas tecnologias e modalidades de tratamento. Em relação a contribuição na formação profissional dos alunos, consideramos importante a estruturação, implementação e acompanhamento dos programas de residência, internato e estagio nas unidades do CISMEPAR.