Associação Brasileira Rede Unida, 13º Congresso Internacional Rede Unida

Anais do 13º Congresso Internacional da Rede Unida

v. 4, Suplemento 1 (2018). ISSN 2446-4813: Saúde em Redes
Suplemento, Anais do 13ª Congresso Internacional da Rede UNIDA
Tamanho da fonte: 
O ACADÊMICO DE ENFERMAGEM FRENTE À PRÁTICA ASSISTENCIAL - RELATO DE EXPERIÊNCIA NA DISCIPLINA DE SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA DE ENFERMAGEM I
Paulo Philip de Abreu Gonzaga, Beatriz Graça de Araújo, Camila Soares Santos, Ester Alves de Oliveira, Lowisa Consentini Garcia, Marcos Lima do Nascimento, Victor Nei Vasconcelos Monteiro, Iracema da Silva Nogueira

Última alteração: 2018-01-15

Resumo


Introdução: A disciplina Semiologia e Semiotécnica de Enfermagem I, aborda conteúdos referentes às Ciências da Enfermagem.   Neste tópico de estudo, incluem-se os Fundamentos e Assistência de Enfermagem que contemplam os conteúdos técnicos, metodológicos e os meios e instrumentos inerentes ao trabalho do enfermeiro pautado nas regras técnicas e nos pressupostos humanos, éticos e legais da profissão. Objetivo: Relatar a experiência de acadêmicos de enfermagem frente à prática assistencial, durante a realização da disciplina Semiologia e Semiotécnica de Enfermagem I. Metodologia: Trata-se de um relato de experiência sobre a referida disciplina, desenvolvida no segundo semestre de 2017, por acadêmicos do 4° período do Curso de Enfermagem da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Resultados: A disciplina em questão tem como objetivos: conhecer e executar os procedimentos básicos de Enfermagem, baseados em evidências cientificas, necessárias ao desenvolvimento dos cuidados ao paciente, família e comunidade, relacionados aos aspectos psicológicos, físicos, sociais e espirituais; incentivar a criatividade e a sensibilidade referente ao cuidar; desenvolver o relacionamento enfermeiro-paciente, como componente essencial na arte do cuidar; contribuir para que a formação seja voltada para a prática sempre observando os preceitos técnico-científicos, humanos e éticos, estabelecendo um relacionamento terapêutico e, consequentemente, humanizando a assistência de enfermagem. Para o alcance dos objetivos da disciplina, o processo de ensino e aprendizagem, foram implementadas aulas teóricas e práticas, tanto em sala de aula, laboratório de enfermagem e simulação, Serviços de Pronto Atendimento e contexto hospitalar, sob supervisão das professoras da referida disciplina. A atuação nesses cenários possibilitou a oportunidade de um contato maior com o paciente colocando em prática o conteúdo teórico discutido na disciplina. Vale ressaltar que a inserção do discente no campo da prática foi um momento de adaptação, principalmente nas relações comportamentais, no trabalho em equipe e no desenvolvimento de habilidades e competências para o processo de cuidar de pessoas portadoras de agravos de baixa e média complexidade. Conclusão: A vivência, principalmente, em ambiente hospitalar foi inestimável, pois, ao cursar a disciplina, o acadêmico deu os primeiros passos nas práticas do cuidar. Porém, como era esperado, pôde-se observar certa dificuldade de adaptação frente à prática assistencial devido à complexidade do ambiente hospitalar, pois, mesmo havendo consistente fundamentação teórica, o cenário assistencial requer do acadêmico, atributos como proatividade, iniciativa, criatividade, responsabilidade e compromisso.


Palavras-chave


Ensino de Enfermagem; estudantes de Enfermagem; educação em Enfermagem; bacharelado em Enfermagem.